Desenvolvido porspot_img

Últimas

Sessão homenageia 60 anos da Rede Feminina de Combate ao Câncer

Foto: Divulgação/ CMJP

A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) realizou na tarde desta segunda–feira (23), sessão especial para comemorar os 60 anos da Rede Feminina de Combate ao Câncer.  A sessão reuniu voluntários, profissionais de saúde que atuam no combate ao câncer em João Pessoa e foi proposta pelo vereador Milanez Neto (PV).

O parlamentar destacou que a Rede Feminina de Combate ao Câncer surgiu com a finalidade de oferecer solidariedade, amor, carinho e aconchego. “Muitos municípios paraibanos fazem da Rede uma casa de apoio, para poder abrigar as pessoas que precisam passar pelo tratamento contra o câncer e que não têm local para ficar. A Rede Feminina vive quase que na sua totalidade da doação de pessoas, desde as voluntárias até a sociedade, precisando olhar e partilhar do que é a dor do próximo. E o que mais fica de lição para a vida é que a solidariedade nunca é demais”, disse.

Graça Vasconcelos, presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer, afirmou que a entidade reguladora teve início na Paraíba em 1962 pelas mãos de várias mulheres da sociedade paraibana. “A Rede Feminina é uma entidade não governamental sem fins lucrativos que presta serviço de apoio a pacientes carentes que estão em tratamento contra o câncer no hospital Napoleão Laureano. Ver hoje o nosso trabalho reconhecido através da CMJP nos deixa muito orgulhosos e agradecidos e cremos que essa corrente do bem crescerá cada vez mais”, acrescentou.

O presidente da Fundação Napoleão Laureano, Marcelo Lucena, disse que a história do hospital Napoleão Laureano e da Rede se confundem. “São trabalhos feitos em parceria e de suma importância para a continuidade do tratamento contra uma doença tão devastadora que os pacientes sofrem. O apoio psicológico é fundamental para isso e a Rede vem dando esse suporte durante esses 60 anos, dispondo de uma estrutura modelo que presta um serviço tão importante”, pontuou.

Lourdinha Portela, representante das voluntárias da Rede Feminina de Combate ao Câncer, falou que “todos nós precisamos conhecer mais a Rede Feminina de Combate ao Câncer, conhecer sobre o câncer e abrir os braços e abraçar mais as pessoas que passam por essa doença”, concluiu.

História

A Rede Feminina de Combate ao Câncer foi fundada em 14 de abril de 1964, tendo como finalidade apoiar o tratamento dos pacientes carentes, portadores de câncer. Na Paraíba, existe hoje o trabalho espontâneo e gratuito de 200 voluntários atuando, principalmente, junto ao Hospital Napoleão Laureano (HNL), na capital. Há dez anos, a Rede Feminina construiu a Casa de Apoio ao Portador de Câncer Dr. Luiz Wylmar Rodrigues Neto.

CMJP\ Cybele Morais

Últimas

Mais Lidas